Serviços: 7 dicas para poupar dinheiro em tempo de crise

Por Anouk - junho 14, 2020

dicas poupar em serviços - tropa do batom

O tempo das vacas gordas, como se diz em bom português, já lá vai. Agora, para a maioria de nós, é tempo de apertar o cinto e poupar. Se pouparmos de forma inteligente, ainda melhor.

Não sei se já perceberam, mas eu sou uma forreta assumida. Se puder pagar menos pela mesma qualidade/serviço, acho pouco inteligente não aproveitar. Não sou daquelas que delega esse tipo de tarefas. Gosto de fazer eu, porque a verdade é que também gosto das coisas à minha maneira (alerta mau feitio! ihihih). Felizmente, o querido também não faz questão de tratar destes assuntos e, por isso, sou eu que trato de todos os assuntos ligados a serviços, bancos e do tão assustador IRS 😄.

Agreguei aqui algumas dicas que acho que podem ser úteis a todos. Este post está mais focado na área dos serviços: telecomunicações, bancos, luz / gás, IMI e seguros.

Antes de avançar com as dicas em si, gostaria apenas de salientar que as contas à poupança devem ser feitas SEMPRE ao valor anual e não ao valor mensal. Isto porque, se formos só fazer as contas mensalmente, falamos de poupanças de 5, 10, 15 ou 20 euros mensais (o que sabe sempre a pouco), no entanto, se fizermos as contas ao ano, podemos chegar à conclusão que estamos a perder muito dinheiro com coisinhas "pequenas" (sendo que pode mesmo chegar a centenas de euros anuais, que podiam ser gastos em algo mais útil).

Atenção: Este post não se irá focar na qualidade do serviço das empresas mencionadas, mas sim apenas no custo. Antes de mudar deverão também pesquisar sobre a qualidade do serviço da empresa para a qual pretendem mudar.

1. Cancelar serviços desnecessários

As mensalidades estão na moda. São a grande trend das empresas e acredito que passem a ser cada vez mais frequentes. Temos mensalidades para serviços de TV (ex: Netflix, HBO, canais pagos, etc), música (ex: Spotify), jogos online (ex: Playstation, Xbox ou similar), e muitas mais.

Percebo que possam ser serviços úteis, mas se aquilo que pretendem é poupar nesta altura de crise, sugiro que façam uma lista de todos os serviços que têm e quais podem "cortar". Basicamente, é verem o que é prioritário (sem o qual não podem viver) e o que é apenas "nice to have". O que for "nice to have", não sendo prioritário, poderá naturalmente ser cortado nesta altura. Os serviços podem parecer baratos, mas basta terem algo que custa 10 ou 15€ por mês, que já estamos a falar de 120€ a 180€ anuais.

2. Renegociar o crédito habitação

Se têm um crédito habitação relativamente "recente" (de 2015, 2016, 2017 ou 2018), o mais provável é terem um spread acima de 1,5% ou pior. Eu comprei casa em 2017 e, não só renegociei em 2018 (na altura poupei cerca de 20€ mensais no mesmo banco - ou seja, 240€ por ano), como entretanto já mudei de banco em 2019 (poupando mais 20€ por mês, e ainda mais em seguros - todos fora do banco). Ao todo, desde que contraí o crédito, já consegui poupar cerca de 350€ por ano.

Não sei se esta será a melhor altura para renegociar com os bancos, mas fiquem com esta dica em mente. Se tiverem um spread acima de 1,2%, o mais provável é estarem a perder dinheiro. Deixo também o alerta que, mais importante do que negociar o spread, é ter especial atenção à TAEG do empréstimo (taxa com todos os valores e comissões que o banco cobra).

Se pretenderem renegociar, devem pedir simulações de crédito a vários bancos e reencaminhar a mais vantajosa ao vosso banco, com a indicação de que se estes não conseguirem igualar essa proposta, irão mudar de banco. Na maior parte dos casos, os bancos igualam as propostas para não perderem o cliente. Porem, se não conseguirem por esta via, há empresas que vos podem ajudar (não vos cobram absolutamente nada e os custos de transferência costumam ser assegurados pelo novo banco para onde forem transferir). Deixo aqui 2 exemplos: Doutor Finanças e Reorganiza.

3. Renegociar seguros anualmente

Quem tem carros, motas, seguros de vida, multiriscos (desde que não estejam 100% vinculados ao banco, pois aí habitualmente é mais difícil), deverá renegociar os seguros anualmente. A minha recomendação é que façam uma sondagem de mercado 1 a 2 meses antes da data de renovação de cada seguro.

Deverão simular seguros semelhantes na concorrência ou em algum simulador online (e mesmo no segurador atual) e comparar com o que valor que pagam atualmente. Se surgir alguma seguradora com um valor mais simpático, devem tentar renegociar com a vossa seguradora atual. Se não conseguirem renegociar, a solução é simples: mudar!

Exemplos de seguradoras que costumam ter preços mais simpáticos: OK TelesegurosLOGOAprilReal VidaSeguro Directo.

Nota: Se os vossos seguros estiverem associados ao banco, devido a algum crédito, deverão fazer contas para saber se compensa mudar. Por vezes, o agravamento no spread pode compensar na mesma a mudança, uma vez que os seguros são bastante mais baratos quando não estão vinculados a um banco/crédito.

4. Simular todos os serviços básicos de eletricidade e gás

Já lá vai o tempo em que o consumidor não tinha opção de escolha nos serviços mais básicos. Era a EDP na eletricidade e a Galp e no Gás. Ponto. Felizmente, o tempo dos monopólios já lá vai e já há alguns anos que os consumidores podem e devem fazer contas para saber qual o melhor fornecedor para si. Sugiro que comecem por pegar nas vossas faturas atuais de eletricidade e gás e que utilizem um simulador online para perceber se estão a pagar mais do que deviam.

A título de exemplo, posso dizer-vos que ao juntar a eletricidade ao gás natural, e mudando para a Gold Energy, tenho conseguido poupar cerca de 5 a 10€ por mês nestes 2 serviços. Ou seja, 60 a 120€ por ano.

Além da Gold Energy, há outras empresas como a Endesa, Iberdrola, Galp, etc. Não há uma receita certa para todos, pois depende do vosso perfil de consumo (e do número de pessoas no vosso agregado). O melhor é mesmo simular e fazer contas.

5. Renegociar com operadores de telecomunicações

Se vocês têm o pack habitual de TV (pack normal sem canais premium), NET (100 ou 200mb) e Voz (chamadas para fixos) em casa e estiverem a pagar mais do que 30€ por mês, estão a pagar mais do que deviam.

Também no mercado das telecomunicações há bastante concorrência, pelo que um consumidor informado vale por 2. A concorrência é feroz e, na grande maioria dos casos, se a concorrência vos fizer um preço melhor, é mudar. Sem medos. As principais operadoras atualmente são: MEO, NOS, NOWO e VODAFONE.

O melhor truque que posso indicar-vos é que as melhores propostas dos operadores só surgem quando dizemos que queremos cancelar o serviço (não podemos estar em período de fidelização, obviamente). Aí sim, somos reencaminhamos para uma linha de "retenção ao cliente", que nos apresenta as melhores ofertas em vigor do operador, na tentativa de reter os clientes. Mais informações no fórum zwame.

6. Pedir revisão do valor patrimonial do imóvel

Quem tem imóveis e não tiver isenção temporária (os que foram adquiridos mais recentemente só têm isenção de 3 anos), terá que pagar anualmente IMI.

Não há renegociação possível neste imposto, mas há algo que podemos fazer para ir baixando este valor, que é pedir a revisão do valor patrimonial do imóvel junto das Finanças.

O que acontece é que, quando adquirimos um imóvel, esse imóvel vale "x" nas Finanças, e se não formos nós a pedir às Finanças para rever esse valor, vamos estar sempre a pagar o mesmo valor sobre um imóvel que vai ficando desatualizado com o tempo. Por exemplo, se compraram um imóvel novo.. para as Finanças o valor será "X" em 2020... mas em 2030... será o mesmo. Ou seja, em 2030 irão pagar IMI de um imóvel como se fosse "novo", quando na verdade o imóvel já está bastante desatualizado.

Obviamente que só nos compensa pedir a reavaliação se o imóvel desvalorizar (pode acontecer uma zona valorizar e, com isso, fazer disparar o valor do imóvel), por isso, antes de avançar com o pedido nas Finanças, o melhor é mesmo simular. O site Pague menos IMI, da DECO, faz precisamente isso, basta termos connosco a caderneta predial (é só fazer download no site das Finanças).

Uma nota: Este pedido só pode ser feito de 3 em 3 anos.

7. Poupar em comissões bancárias

Os bancos mais "antigos" cobram comissões mensais pesadas, que é comum rondarem os 5 a 8€ mensais. Ora, isto representa 60 a 96€ anuais. Sem contar que muitas vezes ha comissões acrescidas para transferências, cheques, levantamentos, emissão de cartões, MB WAY, etc.

Se não tem créditos que o obriguem a estar num determinado banco, é tempo de fazer contas das comissões que gasta anualmente e eventualmente pensar em mudar. Ainda há bancos que não cobram comissões, como por exemplo: Activo Bank, BIG, Bankinter e Best.


E para já é isto! Espero que estas dicas vos ajudem a economizar algum dinheiro nesta altura de crise. Nunca se esqueçam de fazer as contas anualmente, porque 10 ou 20€ pode parecer pouco mensalmente, mas ao ano já faz "mossa" e é dinheiro que pode ser gasto noutro lado que faça mais falta.

Boas poupanças!
Anouk

  • Partilha:

Poderás também gostar

6 comentários

  1. Completamente de acordo. Temos que olhar pela nossa carteira.
    beijinhos

    ResponderEliminar
  2. Por aqui também sou uma forreta ehehe e arranjei uma colega de trabalho igual pelo que agora ando sempre em cima de super preços ahaha como não temos casa própria essas questões nos são tão familiares, mas em relação a comissões de bancos, serviços desnecessários, seguros, etc concordo plenamente :) ter um mealheiro fechado também é óptimo, com o casamento conseguimos pagar a animação (que não é barata) à pala dos mealheiros... Sabe taaaao bem

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Excelente dica a do mealheiro. Quando era mais nova fazia muito, agora confesso que ando mais preguiçosa e sempre que começo, acabo por assalta-lo por precisar de moedas, eheheh. Tenho que voltar a seguir mais a risca 😉

      Eliminar