Quando a pílula mata o desejo

Por Anouk - abril 23, 2020

sexo, pílula, contraceptivos - tropa do batom

Ora vamos lá falar de sexo, essa actividade a dois (ou mais, depende do gosto) que desperta os nossos sentidos e faz expelir todo o tipo de fluidos estranhos do nosso corpo. Este post, na verdade, é mais sobre contracepção do que sexo em si, e da minha experiência em particular com a pílula, ao fim de a tomar há quase 2 décadas.

Se forem como eu, o mais provável é tomarem a pílula há tanto tempo, que já não sabem viver sem ela. Já têm o hábito tão enraizado que ao invés de se esquecerem de a tomar, até já calhou tomá-la em duplicado no mesmo dia (só para ter mesmo a certeza de que não há gravidezes indesejadas).

Não há dúvida de que a pílula é um excelente contraceptivo. Se for seguido à risca o risco de gravidez é muito residual. A pílula traz também benefícios na menstruação, como dias certos e menos dores. Mas... nem tudo são vantagens. Ela pode trazer também gradualmente mudanças no apetite sexual (ou falta dele neste caso).

Atenção, não sou médica e não pretendo dar conselhos médicos, estou apenas a relatar a minha experiência pessoal.

Eu tomo a Minigeste há quase 2 décadas. Supostamente, a Minigeste é das mais fracas, mas ao fim de tanto tempo, sinto que me está a "atrasar" as hormonas e a tirar a vontade / prazer sexual. O que, convenhamos, sucks big time!

Tenho saudades de voltar ao tempo em que era uma coelhinha, em que bastava olhar para o meu querido, e a vontade era tanta que saltávamos logo para o banco de trás do carro e pimba! Claro que o meu querido continua com a vontade a 100%... a minha é que está próxima de 0, e a verdade é que acabo por ficar frustrada com isso. Claro que começando a coisa corre bem, mas aquela vontade de dar o primeiro passo acaba por não existir do meu lado.

Anyway, eu culpo a pílula!! Há algum tempo atrás falei disto ao meu médico e ele desvalorizou o assunto, dizendo que a pílula não matava o desejo sexual. Porém, a verdade é que as pílulas têm "n" efeitos secundários.

Aqui vai outro exemplo um pouco mais grave, que também se passou comigo: houve uma altura, há já alguns anos atrás, em que mudei da Minigeste para a Estinette (na altura achei que estava a mudar para a marca genérica da Minigeste - big mistake) e, após 2 meses, comecei a ficar com faltas de ar. Estilo asma. Na altura, ainda fui umas 3x às urgências com falta de ar e fizeram-me 2 raios-X em 2 semanas. Relatei que tinha mudado de pílula e isso sempre foi desvalorizado pelos médicos. Até me receitaram uma bomba para a asma.

A certa altura, dado que nenhum deles percebeu o que estava errado comigo, eu decidi simplesmente deixar de tomar a Estinette (tal como alguns meses antes decidi mudar por parvoíce) e voltei à Minigeste (por auto recreação digamos). Nunca mais voltei a ter sintomas do género. A suposta "asma" acabou por desaparecer tão depressa quanto apareceu.

Moral da minha história: as pílulas não são medicamentos assim tão inofensivos quanto às vezes nos fazem crer. E têm impactos no nosso corpo. Às vezes graves.

Posto isto, andei a pesquisar métodos contraceptivos alternativos de longa duração e encontrei alguns que podem ainda ser menos conhecidos e aproveito para os mencionar aqui. Naturalmente que devem depois dirigir-se a uma consulta de planeamento familiar e tirar todas as dúvidas que tenham junto do vosso médico, não esquecendo que também estes poderão ter efeitos secundários.

SIU (Sistema Intrauterino)

O Sistema Intrauterino é um pequeno dispositivo plástico macio e flexível em forma de T, colocado no útero pelo médico.
Eficácia: 3 a 5 anos

DIU (Dispositivo Intrauterino)

O dispositivo intrauterino é um pequeno aparelho de plástico em forma de T, que contém um fio de cobre. É colocado no útero pelo médico.
Eficácia: 3 a 10 anos

Implante

O implante é um pequeno tubo de plástico flexível, colocado no braço debaixo da pele, pelo médico.
Eficácia: 3 anos

Para obter mais informações sobre cada um dos métodos, podem consultar este site e devem consultar o vosso médico.

Assim que passarmos esta altura mais difícil, é isso mesmo que vou fazer.

E vocês? Já notaram algum impacto negativo devido a algum método contraceptivo?

Até já,
Anouk

  • Partilha:

Poderás também gostar

4 comentários

  1. Olá Anouk,

    Antes do primeiro filho, tomava a pilula - períodos muito irregulares, umas vezes curtos e com perdas muito abundantes, outras vezes longos (+ de 1 mês) e poucas perdas. Mudei várias vezes de pílula e nada resolvia - cheguei a usar uma que ainda não estava à venda no mercado e... tudo igual. Após estudo chegou-se à conclusão que não podia usar nada hormonal.

    Após a primeira gravidez coloquei o DIU. Resultado - períodos regulares e muito abundantes. E assim foi até fazer a laqueação.
    Nos primeiros meses, após a laqueação, o período manteve-se regular e com menor fluxo. Cerca de meio ano depois começou a ser frequente andar menstruada durante 7 dias, com perdas brutais (ao ponto de não aguentar tampão e 2 pensos durante meia hora). Cheguei a usar copo menstrual e penso!
    Entretanto, após vários exames (estava tudo normal, nunca fiz anemia e sou dadora de sangue), a ginecologista, aconselhou tomar a Azália, sem interrupções - "Adeus Período" 😊
    Estou neste momento a fazer pausa para verificar se estou na menopausa.

    Oba, era aqui que queria chegar... o meu motivo da falta de apetite... que não é de hoje... começou na pré menopausa.
    Também eu estou feita, pois o Mô parece que parou lá atrás, na ternura dos 40, cheiiinho de vontade!!!

    Acho que respondi à questão do "impacto negativo" 😉

    Beijinhos
    Liliana

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Olá Liliana,

      Muito obrigada pelo teu testemunho. Após escrever/colocar este post, tenho-me vindo a aperceber que este tema é bem mais comum do que eu imaginava e que há mesmo muitas mulheres com este efeito secundário (falta de apetite sexual) :( .
      Quero acreditar que há um contraceptivo certo para cada uma de nós, com o menor impacto possível no nosso corpo. O difícil será encontrar a receita perfeita para cada uma, mas é uma questão de nos articularmos com os nossos médicos e expormos esta situação.

      Mais uma vez muito obrigada pela partilha da tua história :)

      Beijinhos,
      Anouk

      Eliminar
  2. Olá :) concordo imeeeenso com o que dizes. Também tomo a minigeste e acontece-me precisamente o mesmo. Nunca associei à toma da pílula mas fui associando à rotina, até que este ano que passou fiz pausa na pílula e beeeeem... Que entusiasmo era nesta casa 🤣🤣🤣 agora com o adiamento do casamento vou fazer o mesmo para poder animar a coisa muahahah

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Olá Coquinhas :). Ahahahha. Boa táctica! Quando escrevi este post nunca pensei que houvesse tanta gente com este mesmo problema. Aliás... há um tempo atrás achei mesmo que era um defeito exclusivo meu e foi isso que me levou também a escrever este post. Obrigada pelo teu comentário. Isso do teu casamento é uma chatice :( Beijinhos.

      Eliminar