Acreditas em vida para além da morte?

Por Carolina - janeiro 13, 2021


vida além da morte

Olá gajas!

Este post surgiu após eu ter visto um documentário no Netflix "Surviving Death" e achei interessante..

Nós, humanos, necessitamos sempre de uma explicação para todos eventos que nos acontecem na nossa vida, para sentirmos controle sobre a mesma, para termos segurança e termos a certeza de que nada de mal nos vai acontecer. Mas, às vezes, há coisas que nos acontecem sem explicação.

Eu, sempre fui cética em relação ao sobrenatural, é muito mais fácil dizemos "isso é tanga", porque encaixa perfeitamente na nossa gaveta "segura", do que pensarmos que há algo mais, que nós não sabemos, não conhecemos e não entendemos. E... quando tive a primeira morte de um ente próximo, tinha eu 21 anos, a minha opinião mudou!

Quando um familiar próximo meu faleceu, de repente, num acidente de viação, parece que o meu mundo desabou. Tínhamos uma relação de irmãos, partilhávamos planos e objetivos e estávamos a caminho de os atingir. Sentimentos de esperança, confiança, força, o positivismo de que tudo vai correr bem e que se vai conseguir atingir tudo o que se quer estavam lá!

Numa manhã de verão, ao acordar, tive a trágica notícia. Quando a minha mãe me disse, era como se eu já soubesse, como se não houvesse mais ninguém a quem pudesse acontecer um acidente.

Não sabíamos o que teria acontecido. O Quim, estava há dois anos a morar connosco, num processo de mudança de vida, a recuperar de uma vida de alcoolismo e sem beber desde então. O meu orgulho nele era imenso, por ele ter conseguido atingir ao que se comprometeu, por já ser independente e ter dado a volta por cima. 

Uma semana após a trágica notícia, tive um sonho estranho, real, como se estivesse a acontecer ali mesmo, sonhei com ele sentado numa cadeira, dentro duma cela de prisão, amarrado com correntes, sem braços e com roupa preta rasgada simplesmente a dizer: "Desculpa, desculpa, desculpa. Eu estou bem. Desculpa." O sonho marcou-me, custou-me imaginá-lo naquele cenário, mas ele disse que estava bem...

Uns meses, depois outra vez, não me recordo exatamente do sonho, mas sei que ele pediu novamente: "desculpa, desculpa, desculpa".
Eu contava estes sonhos à minha mãe, ainda céptica, ambas... Mas porque é que é que eu teria estes sonhos e porquê "desculpa"? Estranho.
A última vez que sonhei com ele foi 6 meses após a sua morte, tive outro sonho, e ele só me disse: "Desculpa, Carolinha!" (como ele me chamava). 
No dia a seguir soube do tribunal que ele tinha 3,1% de álcool no sangue e foi isso que causou o acidente. As desculpas fizeram sentido!

Quando a minha avó Sofia faleceu, eu estava a limpar-lhe a cara com uma gaze, porque ela estava a suar, e, de repente, ela deu um último suspiro. Uma coisa tão natural, que não me deixou em pânico, nem me fez chorar, apenas senti que ela já não estava ali, naquele corpo.

Sonhei com ela uns dias depois a dizer que estava tudo bem, mas um sonho muito leve, sem drama.

Quando estávamos, eu e a minha mãe, a desfazer o quarto da avó Sofia, tirar lençóis, limpar chão, falávamos nela e nos bons momentos que sempre passámos, de uma velhota enxuta, bem disposta e positiva que sempre foi um exemplo da sua independência e força! Peguei no molho de lençóis e atirei-os pela escada abaixo. Quando tocaram no chão, um segundo depois, uma cadeira que estava mesmo à frente onde os lençóis "aterraram", caiu para trás em direcção aos lençóis, sem nada lhe tocar, nem ninguém por perto... 

Eu... chamei a minha mãe, incrédula, vimos as duas o que aconteceu (ela ouviu e viu a cadeira caída, eu vi tudo) e só rimos e dissemos: "Beijinhos avó Sofia, gostamos muito de ti!".

No ano passado eu, o meu gajo e a mãe dele, estávamos, num verdadeiro ambiente familiar, numa galhofa,  a brincar com o google tradutor a ditar frases patetas para o telemóvel, para que o google depois traduzisse. Dissemos algumas frases e o google entendeu-as todas no meio dessa galhofa, o James disse: "Carolina is silly!" e o tradutor escreveu: "David is funny".

O irmão do James faleceu há 20 anos, num acidente de viação, tinha 19 anos e chamava-se David.
Coincidência ou não, Carolina e David são nomes bastante diferentes para o google os confundir. 

Para mim, com todas estas "provas" e muitos sentimentos envolvidos à mistura, é-me bem mais fácil acreditar que existe vida para além da morte e também me é mais fácil aceitar a morte dos meus entes queridos e pensar que, apesar das saudades, eles estão bem. Dá-me paz! 

Eu sei que ainda é um tema tabu, mas aqui entre nós que nos ouve: E vocês, alguém teve experiências sem explicação e com significado? Adorava saber.

Beijões a tuti!

Carolina

xx



Foto de Sylvain Gllm em Unsplash

  • Partilha:

Poderás também gostar

5 comentários

  1. O seu blog é muito bonito. Vou
    segui-lo para tê-lo a mão quando
    me lembrar de você.
    Um beijo. Segue o meu também,
    segue.

    ResponderEliminar
  2. Eu acredito... Acredito que ha algo que desconhecemos, ou muitos simplesmente nem querem pensar...

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Ola Miúda, pois é, há qualquer coisa para além disto... talvez um dia seja mais caro :)

      Eliminar
  3. Gostava de acreditar....se assim não for isto aqui não faz sentido.

    Isabel Sá  
    Brilhos da Moda

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Ola Isa, tens razão! Dá outro sentido à nossa vida... beijinhos

      Eliminar