Quarentona, de quarentena e loba

Por Maria - abril 06, 2020

quarentena, quarentona loba - tropa do batom

Hoje faço 40 anos, virei quarentona!! E sinto que algo em mim mudou. Não digo que foi da noite para o dia, são pequenas alterações que tenho vindo a notar nos últimos tempos... em vários departamentos... para começar sinto-me mais decidida nas minhas intenções e decisões... Inclusive já algumas amigas mais chegadas mo transmitiram... Já não estou para perder tempo com o que não me alimenta a alma. Sinto-me mais eu! Com mais projectos pessoais, com mais reivindicações, com mais exigências, com mais desejos...

Passo o dia do meu quadragésimo aniversário de "quarentena", e apesar de não ter a possibilidade de estar presencialmente com os meus amigos, tenho-os presentes em mim e na minha vida, como sempre estiveram e sei que vão estar... Poderia lamentar-me de passar este dia em casa, sem festa, sem um convívio num restaurante, sem fotos de comemoração nas redes sociais... Mas isso já não me diz nada...  diz-me muito mais os desenhos das minhas filhas, o jantar surpresa feito pelo marido, as mensagens logo de manhã das amigas a dar os parabéns, seguidas de perguntas ousadas sobre a noite... sim, poderia lamentar-me fazer 40 anos em época de afastamento social, mas foi também graças a esta condição que ganhei tempo.. tempo para mim... Sim! Tenho tido tempo para mim e isso fez-me crescer... Esse tempo amadureceu-me... Por tudo... E por todas as condições a ele adjacentes...

Hoje faço 40 anos e virei loba!!!

Já ouviram falar na idade da loba?  Segundo muitos especialistas da psicologia, ela ocorre por volta dos 40 anos e caracteriza-se por todo um conjunto de alterações de ordem físicas, emocionais, hormonais e pessoais que ocorrem na mulher. Inicialmente, na década de 60, a idade da loba explicava-se por uma maior autonomia da mulher, pois nesta idade os filhos já estariam criados e ela beneficiaria de mais tempo para si.. Coincidiu também com a evolução da emancipação da mulher. Contudo, muitos especialistas defendem que essa teoria já não se aplica aos dias de hoje, pois, desde cedo que a mulher assume um papel tão abrangente e com diversas frentes e ainda reserva tempo para si. Há também a perspectiva sexual desta fase, pois é nesta faixa etária que termina o ciclo reprodutivo da mulher e esta atinge a sua maturidade sexual. Associados estão também, na minha perspectiva, a nossa aceitação, as nossas certezas, as nossas exigências, o saber o que vale, o que se quer e como se quer e sem complexos de julgamentos... Tornamo-nos lobas.

Hoje faço 40 anos e virei loba: independente, confiante, activa, forte, segura, determinada, faminta de prazer... e quando juntamos um isolamento social... humm!!! Devo de dizer que tem sido uma experiência, no mínimo interessante.. E agora estou-me a referir  ao aspecto íntimo... Posso dizer que tenho, ou melhor, que estou a atingir um nível de maturidade sexual surreal... que ainda não consigo descrever adequadamente. É um misto da ousadia da juventude com uma determinação e a maturidade em nos aceitar e entregar como somos. É uma total entrega do nosso corpo (no meu caso também da alma) e uma ansiedade em explorar tudo isto... É o ir directa ao assunto quando assim o queremos e é estar totalmente entregue, só entregue... sem pensar em nada, nem em recriminações, nem em julgamentos, nem em avaliações... é estar só entregue... e, no entanto, sem perder a nossa força e confiança... sem perder a nossa sensualidade...

Principalmente após a 2ª filha, com trabalho, menos tempo, mais complexos e pedidos de "atenção" do esposo, começou a surgi-me uma pergunta que teimava a sair da minha cabeça, e que nunca a fiz a ninguém, que é: Qual a média, ou o normal, que os casais nestas circunstâncias têm relações sexuais? Uma vez por semana? Duas? Menos? Respondendo à minha pergunta, talvez uma média de 1 vez por semana e com constantes "assédios" do companheiro...pois por ele a frequência seria, naturalmente superior.

Com esta questão quero eu dizer que este aspecto começou a ficar para o fim da lista de prioridades e era quase sempre ele que me procurava... e eu sou completamente louca por ele... em todos os sentidos... Ele corresponde ao meu ideal de homem, de companheiro, de amante... digam-me se também já aconteceu com vocês?

Mas agora, sinto aquele calor interno quando penso em estar com ele, agora procuro o meu homem, quero estar com o meu homem, dá-me gozo provocá-lo, dá-me prazer surpreendê-lo e ser surpreendida... agora sei o que quero e ele sabe o que eu quero! Agora estou cada vez mais confiante com o meu corpo, mais desinibida e audaz...  Sei que não tenho o mesmo corpo que tinha quando ele me conheceu... Não tenho a mesma barriga lisa, agora tenho barriga de mãe; não tenho as mesmas linhas sexys, agora são mais redondas...  Não me importam estas diferenças, são marcas do nosso amor e da minha evolução como mulher... São marcas para manter, pois fazem de mim quem sou!  Ele sabe, ele gosta... Ele diz e mostra-me constantemente que me deseja e que me ama... Como eu sou... E agora eu também me amo... como eu sou...

Agora entrego ao meu homem a sensualidade dos 20 anos com a experiência dos 30 e a determinação dos 40. Agora sou completa! Agora sou loba...

Dizem que a loba também tem dias maus, e que irão começar a surgir outro tipo de alterações, não tão proveitosos... por isso, não é só mar de rosas... temos a famosa menopausa, entre outros obstáculos emocionais... mas por enquanto,  por enquanto...

...Bem vindos 40 anos

Parabéns a mim...

Be Happy
Maria

  • Partilha:

Poderás também gostar

3 comentários

  1. Uau Maria!! Felicidades! Pelo aniversário, pela clareza, pela coragem de te olhares por dentro e por ainda seres uma mulher apaixonada pelo teu marido! Parabéns!

    ResponderEliminar